Como competir com o mercado ilegal

O mercado ilegal representa entre 5% e 10% do comercio internacional, representando cerca de US$300 bilhões por ano, segundo a Câmara Mundial de Comércio. No Brasil, segundo estimativas do Etco e Fundação Getúlio Vargas, o mercado ilegal representa cerca de R$600 bilhões, o equivalente ao PIB Argentino. Além dos produtos piratas poderem causar danos a saúde dos compradores, afetam diretamente a economia do mercado legal, gerando desemprego e redução da arrecadação de tributos. Ações conjuntas entre o Estado e a iniciativa privada devem ser realizadas para inibir o mercado ilegal. De todas as ações, a mais eficaz é a conscientização das pessoas de não comprar produtos piratas e contrabandeados. Continue lendo “Como competir com o mercado ilegal”

Onde as compras por menor preço falham

Uma empresa sustentável deve olhar o mercado e sociedade de forma holística, buscando oportunidades e benefícios sob várias perspectivas. A maioria das compras do governo e empresas falham, muitas vezes, por deixarem de avaliar os benefícios econômicos e socioambientais sugeridos pelos fornecedores. O ideal seria oferecer a oportunidade aos competidores agregar benefícios socioambientais e econômicos para a comunidade local em suas ofertas de preço. Embora exista o desafio de quantificar os benefícios, seria uma forma de tornar as organizações mais sustentáveis. Continue lendo “Onde as compras por menor preço falham”

Sem corrupção, a eficiência entre no jogo novamente

Em mercados dominados pela corrupção a eficiência na produção e serviços fica em segundo plano. A corrupção criar preços artificiais superfaturados e mascara a ineficiência das organizações. Erradicando a corrupção, a eficiência entre novamente no jogo da competitividade. Isso cria a necessidade de mudanças profundas nas organizações que praticavam atos ilícitos para vencer disputas comerciais. Para os trabalhadores, o impacto também é significativo, pois deverão sair da zona de conforto e buscar mais produtividade nas suas atividades. Operar em mercados com competição justa e ética é mais desafiador e criar ambientes de trabalho mais inovadores e motivadores. Continue lendo “Sem corrupção, a eficiência entre no jogo novamente”