Como competir com o mercado ilegal

O mercado ilegal representa entre 5% e 10% do comercio internacional, representando cerca de US$300 bilhões por ano, segundo a Câmara Mundial de Comércio. No Brasil, segundo estimativas do Etco e Fundação Getúlio Vargas, o mercado ilegal representa cerca de R$600 bilhões, o equivalente ao PIB Argentino. Além dos produtos piratas poderem causar danos a saúde dos compradores, afetam diretamente a economia do mercado legal, gerando desemprego e redução da arrecadação de tributos. Ações conjuntas entre o Estado e a iniciativa privada devem ser realizadas para inibir o mercado ilegal. De todas as ações, a mais eficaz é a conscientização das pessoas de não comprar produtos piratas e contrabandeados.

O mercado ilegal se apresenta de três formas: o contrabando, a pirataria e a evasão fiscal. Para as empresas que operam no mercado legal é importante que desenvolvam estratégias para enfrentar os concorrentes informais.

Entre as ações possível, destacamos:

  • Marketing – desenvolver campanhas de baixo custo em regiões onde o contrabando é mais intenso, mostrando as qualidades dos produtos, rede de assistência técnica e a eficiência do atendimento ao consumidor;
  • Atendimento ao consumidor – investir nos canais de atendimento (call center, Internet e rede de assistência técnica) para oferecer apoio à dúvidas sobre o produto e agilidade na resolução de problemas;
  • Pesquisa e desenvolvimento (P&D) – contínuo esforço para a diferenciação de produtos e redução do ciclo de lançamento de novos produtos;
  • Logística de distribuição – rever constantemente as estratégias de distribuição dos produtos para reduzir custos e ampliar a penetração em novos mercados, principalmente, naqueles onde o mercado ilegal é mais intenso;
  • Recursos humanos – conscientizar os funcionários sobre os problemas causados pelo contrabando e incluir nas avaliações de desempenho ações dos empregados para enfrentar o mercado ilegal;
  • Trade Marketing – desenvolver ações junto a rede de distribuição para a conscientização do impacto negativo do mercado ilegal. Uma estratégia possível é a pulverização da distribuição com a implementação de mini distribuidores (MD) que têm contato direto com os consumidores. Possuem mais empatia para convencimento e trazer feedbacks para retroalimentar as ações;
  • Eventos – realizar eventos e atividades para informar e mobilizar a rede varejista para barrar as ofertas ilegais;
  • Programas de sustentabilidade socioambientais – desenvolver programas junto a comunidades de bairros e ONGs para esclarecimentos dos problemas do comercio ilegal e oferecer cooperação para desenvolver programas de valorização da sociedade;
  • Ações junto a mídia – através de apoio a reportagens e peças publicitárias convencer a opinião pública da importância de combater o mercado ilegal;
  • Ações junto aos órgãos públicos e fiscalização – através de associações de classe e diretamente oferecer informações para os órgãos públicos para melhorar as ações de combate ao mercado ilegal;

O desafio de combate ao mercado ilegal é maior em tempos de crise econômica, pois com restrições de orçamento os consumidores são tentados a comprar produtos do mercado ilegal. Entretanto, um boa estratégia de produto ajuda a mitigar os impactos do mercado ilegal.

Deixe uma resposta